Fotografia de Gastronomia – 10 dicas para um bom orçamento

Porque estamos falando de Fotografia de Gastronomia

fotografia-de-gastronomiaVocê deve estar se perguntando o que uma gráfica especializada em rótulos e adesivos tem a ver com fotografia de gastronomia. Eu explico. A Fotografia já fez parte da minha vida muito tempo atrás, mas de uns anos para cá resolvi retomar esta antiga paixão e tenho procurado me especializar em fotografia de gastronomia e produtos. E agora estamos oferecendo mais este serviço aos nossos clientes. Assim, resolvi escrever este post justamente por acompanhar diversos trabalhos de impressão de cardápios e folhetos que fizemos aqui na gráfica e que ficaram com a qualidade bem comprometida por apenas um único problema: fotografias de baixa qualidade.

Poderia começar este post enumerando diversos motivos para você investir em fotos profissionais para sua comunicação e cardápios, mas vou fazer apenas uma pergunta: Você quer sobreviver no seu ramo? Pare e pense. Se sua resposta for SIM, e, obviamente será, o único e mais importante motivo para investir em fotografia de gastronomia profissional é que sem boas imagens você simplesmente não provocará em seu cliente a vontade de ir até você e muito menos experimentar a comida que você faz. Imagens de divulgação bonitas e apetitosas fazem com que seu cliente crie esta necessidade de conhecer o que você oferece, e um cardápio bonito e bem impresso tem a força de um vendedor, da mesma forma que se estiver mal impresso e com fotos ruins poderá afastar seu cliente.  

As redes sociais são canais importantíssimos de divulgação, e você precisa de imagens interessantes para suas postagens. Neste caso, um celular com uma boa câmera pode ajudar bastante. Porém, se o assunto é a impressão de cardápios ou outros materiais de divulgação como folhetos ou até mesmo outdoors, nenhum celular produzirá fotos com resolução suficiente para impressões adequadas. E é aí que a fotografia de gastronomia profissional entra e faz o seu papel, que é o de traduzir em imagens tudo o que seu prato oferece. Uma boa foto deve aguçar os sentidos e provocar a vontade de provar o alimento que está sendo mostrado. Para isso, o conhecimento do fotógrafo é fundamental. Ele vai saber ressaltar o melhor ângulo do prato, vai escolher a iluminação que trará uma boa combinação de luzes e sombras para dar volume e textura ao alimento, além de desfoques estratégicos para a valorização de determinados elementos do prato.

fotografia de gastronomiaFotografia de gastronomia é um processo complexo, envolve muito conhecimento técnico, e para que a comida pareça apetitosa nas fotos é preciso agir rapidamente. E isso só é possível com organização e comprometimento da parte do fotógrafo e do cliente. Para que você não se decepcione com o resultado do trabalho, é importantíssimo que tome alguns cuidados antes da contratação. Este post tem o objetivo de ajudá-lo neste processo e vou descrever aqui etapas importantes pelas quais eu mesma já passei em alguns trabalhos, e creio que a minha experiência neste sentido será muito útil para que você tenha os melhores resultados.

10 dicas para um bom orçamento de fotografia de gastronomia

– Dica 1 – Pode parecer redundante, mas o primeiro conselho que eu posso dar é: procure um fotógrafo especializado em fotografia de gastronomia. E esta é uma dica muito importante, pois existem fotógrafos que fazem trabalhos em diferentes áreas e até atendem este mercado, porém a falta de conhecimento técnico especializado fatalmente vai comprometer o resultado final. Além disso, existem lentes que são específicas, e dificilmente um fotógrafo de eventos vai investir um valor alto em uma lente dessas. Ele até pode fotografar com o equipamento que ele tem, porém não vai conseguir resultados iguais à qualidade de lentes adequadas para trabalhos voltados à gastronomia e produto.

– Dica 2 – Observe o trabalho dele. Veja o portfólio e avalie se o que ele oferece está dentro do que você busca em termos de qualidade. Nitidez nas fotos, uma boa composição, uma boa iluminação são fatores que devem ser avaliados na fotografia de gastronomia. Se a sua necessidade for a produção de fotos para grandes ampliações (como outdoor por exemplo), você deve ser mais crítico. Recomendo que você peça a ele o envio de algumas imagens em alta resolução para que possa avaliar melhor, pois muitas vezes uma ampliação no seu computador mostra defeitos que passam desapercebidos quando vemos a foto na internet. Da mesma forma que mostra detalhes de nitidez que somem quando as fotos são postadas.

fotografia de gastronomia

– Dica 3 – Complementando a dica 2, é importante você levar em consideração qual será o uso das suas fotos. Se o objetivo é apenas criar materiais de divulgação como folhetos, postagens para as redes sociais e cardápios, você não precisará de imagens tão grandes. Mas se você tem a necessidade de imagens para grandes ampliações, vai precisar perguntar ao fotógrafo também sobre a capacidade do equipamento dele. Equipamentos de entrada (que são a maioria no mercado) entregam boas imagens, porém, para grandes ampliações a qualidade fica comprometida. Assim, especifique ao fotógrafo qual o uso você fará das imagens e qual o grau de qualidade você precisa. Dependendo da finalidade das fotos ele saberá se o equipamento possui a capacidade adequada para o trabalho.

– Dica 4 – Quando solicitar seu orçamento, procure passar informações detalhadas: quantidade de pratos que será fotografada, em que local os pratos serão fotografados, qual a disponibilidade do estabelecimento para o trabalho, qual o melhor horário para a realização das fotos entre outros detalhes. Se ele não fizer este tipo de questionamento, passe a ele o máximo de detalhes possível. Um bom fotógrafo vai avaliar toda a situação e calcular o tempo que será necessário para a realização do trabalho. Assim conseguirá passar um orçamento correto. Desconfie de valores muito baixos ou pacotes que não levam em consideração estes fatores, pois são variáveis que interferem no tempo gasto e na qualidade que será entregue. Um bom trabalho exige o tempo adequado, e quando é feito sem atenção e cuidado, dificilmente serão entregues boas imagens.

– Dica 5 – Informe ao fotógrafo o uso posterior das fotos. Ele precisará saber se as fotos deverão ser recortadas ou se deverá ser feita uma composição com o prato e outros elementos. As fotos recortadas normalmente são utilizadas para cardápios, sites ou também podem ser colocadas em montagens para divulgação dos pratos em redes sociais ou propagandas. Já as composições criam um “clima” e também ficam muito bonitas, podendo ser utilizadas em diversas situações. O fotógrafo deve saber de antemão qual o objetivo para calcular o tempo que será gasto na montagem do ambiente e controle da luz. Peça a ele que inclua no orçamento o valor das imagens já recortadas ou apenas com o fundo branco, como é de praxe. Muitos fotógrafos já poupam o trabalho do cliente nesta etapa entregando a imagem do prato recortado.

fotografia de gastronomia fotografia de gastronomia

Dica 6 – Procure obter todos os detalhes de como o trabalho será feito antes da contratação, para evitar surpresas. Saiba como ele cobra pelas imagens, se é por diária, se é por número de imagens, deslocamento, etc. Avalie muito bem e escolha o que estiver mais adequado aos objetivos que você deseja atingir. Não avalie apenas por preço, pois muitas vezes o barato pode sair caro. Diferenças entre orçamentos muitas vezes tem a ver com o tempo de experiência do fotógrafo, o nível do seu trabalho e até mesmo com o equipamento que ele possui. Existem equipamentos de entrada para quem está começando a fotografar que vão entregar uma qualidade mediana no trabalho. Já equipamentos mais robustos entregam imagens mais ricas em detalhes, passagens de cores, etc. E aqui vale ressaltar também que a pós-produção é um fator muito importante. A captura é apenas metade do trabalho, e a finalização das fotos fará toda a diferença. Um bom fotógrafo deve reunir de maneira eficiente as duas partes do trabalho.

Dica 7 – Peça ao fotógrafo para informar no orçamento como as imagens serão entregues e também em qual tipo de arquivo. Como parâmetro de comparação, vou descrever como eu costumo entregar e vou explicar o porquê:

– JPG alta resolução – a imagem é entregue no tamanho de um A3, em 300 DPIS. Este tamanho permite a impressão em alta definição até o tamanho de uma folha A3. É o suficiente para que você possa abrir a imagem e ampliar no computador para verificar todos os detalhes e também utilizar para materiais impressos.

– JPG internet – as imagens são colocadas no formato e resolução ideis para postar na timeline do Facebook sem perder a qualidade. Facilita também na visualização dos arquivos.

– TIFF – é um arquivo que mantém o tamanho e a qualidade original da fotografia. Com este arquivo você pode fazer a ampliação em grandes formatos, como painéis, outdoor, além de imprimir em excelente qualidade bara backlights e frontlighs. É a melhor qualidade que pode ser entregue. Quando a foto é recortada, o fundo fica transparente neste tipo de arquivo e você consegue aplicar em qualquer outro fundo utilizando o Photoshop ou Corel, fazendo montagens da maneira que precisar.

Dica 8 – Procure informar ao fotógrafo como é o espaço que vai ser utilizado para as fotos. Ele precisa ter idéia da possibilidade de usar ou não a luz natural, ou se terá espaço para montar seu equipamento de iluminação. É importante conversar sobre o que você espera como resultados, dando um direcionamento para o fotógrafo no caso de precisar que ele crie fotos um pouco mais ambientadas (como por exemplo, simulando um final de tarde para um café ou um ambiente romântico para um jantar).

Dica 9 – Informe-se com o fotógrafo sobre os direitos autorais. Convém perguntar se a utilização das fotos será vitalícia. Muitos fotógrafos cobram valores baseados neste aspecto, e é fundamental que você converse antes para não ter surpresas lá na frente.

Dica 10 – Ao fechar seu orçamento, pergunte sobre o contrato. O ideal é que você tenha uma cópia em que constem todos os tópicos e detalhes a respeito da realização do trabalho, como prazos, preços, formatos e dimensões em que as fotografias serão entregues, etc. Leia com atenção antes de assinar e esclareça qualquer ponto com o qual não concorde. Um contrato bem elaborado é fundamental para que o trabalho seja realizado de maneira eficiente. Da mesma forma que o fotógrafo se compromete a entregar um determinado trabalho, o cliente deve fornecer as condições necessárias para isso.

Espero que você tenha gostado deste artigo! Se você quiser conhecer um pouco mais sobre o meu trabalho nesta área, acesse meu site: www.lelianeandrade.com.br.  

 

Quer saber mais sobre o assunto? Fique à vontade para entrar em contato. Terei prazer em responder suas dúvidas!